Os recifes profundos são ambientes ainda hoje pouco conhecidos e um dos menos protegidos nos mares brasileiros. Trabalhos recentes realizados por membros da equipe do projeto, tem demostrado sua grande importância ecossistêmica e conectividade com ambientes rasos e costeiros.

     O Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PARNAMAR de FN) é uma área de extrema relevância no Atlântico Sul e tem servido de modelo de conservação marinha no Brasil, apesar das diversas pressões antrópicas que enfrenta.

     A pesca no Arquipélago de Fernando de Noronha (AFN) reconhece a produtividade dos recifes profundos e concentra seus esforços de captura nesta região. Ao mesmo tempo, a área atual do PARNAMAR de FN protege preferencialmente áreas rasas, com profundidades, em geral, menores que 50 m e o zoneamento do seu entorno, ainda não contempla nenhum tipo de proteção a esses recifes.

   A presente proposta tem por objetivo:

a) realizar um reconhecimento dos habitats profundos do Arquipelago, sua conectividade com os habitas rasos;

b) definir zonas prioritárias de conservação para além da área atualmente protegida pelo PARNAMAR de FN.

  Para tal, serão realizadas cruzeiros oceanográficos de mapeamento da geobiodiversidade e caracterização físicooceanográfica destes habitats combinado com aplicação de modelos numéricos. Séries temporais de estatística pesqueira na ilha (base de dados do PARNAMAR de FN) serão analisadas para obtenção mais detalhada sobre a diversidade biológica desses locais e sua importância econômica para a região. De posse desse conjunto de dados serão definidas as áreas prioritárias de conservação dos recifes profundos de AFN.

   Os resultados servirão para embasar consistentemente o plano de manejo do PARNAMAR de FN, cuja revisão está prevista para ocorrer nos próximos anos. O presente projeto, além de contribuir para a geração de conhecimento científico pioneiro no Brasil, será de extrema relevância para a conservação e gestão das áreas marinha do AFN.