O Reef Check é um programa internacional que trabalha junto com a comunidade, os governos e o setor privado com o intuito de realizar o monitoramento científico e a recuperação e manutenção da saúde dos ambientes recifais.

O método empregado pelo Reef Check consiste na realização de censos visuais de indicadores relevantes, do ponto de vista ecológico e comercial, e facilmente reconhecíveis - peixes, invertebrados, impactos humanos e categorias de substrato. A lista de indicadores selecionados inclui organismos cuja abundância varia em consequência de impactos antrópicos diversos, tais como a pesca excessiva, coleta para aquarismo e comércio de souvenirs, e poluição orgânica de ambientes costeiros.

O protocolo do Reef Check Brasil foi adaptado a partir do Reef Check Global, levando em conta as características típicas dos recifes brasileiros e os organismos indicadores locais. Os levantamentos Reef Check Brasil coletam os mesmos tipos de indicadores podem contar também com rotinas mais avançadas, para os peixes, coral e substrato, que foram desenvolvidas para uma melhor percepção do estado dos ambientes de recife de coral da costa brasileira.

 

 

 

 

 

 

 

 

No Brasil, o Programa Nacional de Monitoramento de Recifes de Coral, Reef Check Brasil, vem sendo executado desde 2002 pelo IRCOS (Instituto Recifes Costeiros) e UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) com apoio do CEPENE (Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Nordeste) e do MMA (Ministério do Meio Ambiente). O Programa também conta com o apoio e a parceria do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade) na execução das atividades nas Unidades de Conservação Federais.  

O Reef Check Brasil, desde o seu início, tem realizado monitoramento em várias  Unidades de Conservação, federais e estaduais, e de diferentes níveis de conservação, como REBIO, PARNAMAR, APA e RESEX. A participação de várias ONGs, instituições de pesquisa, operadoras de mergulho e voluntários locais tem sido essencial para o sucesso, sendo a chave para a sustentabilidade do Programa.

O Programa realiza atividades nas seguintes unidades:

Reserva Biológica do Atol das Rocas (RN)

Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (PE)

Área de Proteção Ambiental dos Recifes de Corais (RN)

Área de Proteção Ambiental Costa dos Corais (PE/AL)

Área de Proteção Ambiental da Baía de Todos os Santos (BA)

Parque Municipal Marinho do Recife de Fora (BA) 

Reserva Extrativista Marinha de Corumbau (BA)  

Parque Nacional Marinho de Abrolhos (BA)